seleções

Músicas de Jorge

Para marcar 23 de abril, dia de São Jorge, santo tão querido na música brasileira, Joaquim Ferreira dos Santos selecionou dez músicas interpretadas ou compostas por Jorges. De Seu Jorge a Jorge Amado.

clássico

Troca-troca

Arthur Dapieve apresenta exemplos felizes de conversas entre a música clássica e o jazz: Bach por um quarteto americano; Piazzolla (foto) por um bandoneonista alemão; Bill Evans por um pianista francês.

os batutas

Waldir Azevedo

O compositor de "Brasileirinho" também fez "Pedacinho do céu", "Delicado" e outros famosos temas instrumentais, além de ser um grande divulgador do choro. Waldir Azevedo é o homenageado deste Os Batutas.

música é história - batuta na cbn

Caymmi e o Rio

Dorival Caymmi, cujo centenário se completa em 30 de abril, criou no Rio de Janeiro um estilo de samba bem diferente de suas canções baianas. "Sábado em Copacabana", "Só louco" (aqui num duo com Renato Russo) e outras românticas estão entre suas melhores composições.

Os oito batutas

Hoje é o Dia do Choro. A data foi escolhida por causa do nascimento do mais importante nome do gênero, Pixinguinha. Vamos ouvir "Os oito batutas", com Pixinguinha e seu grupo.

grade de programação

programas mais recentes
destacados em vermelho

destaques

música é história - batuta na cbn

Caymmi e o mar da Bahia

Dorival Caymmi, cujo centenário se completa em 30 de abril, é tema de dois programas Música é História. Neste primeiro, o mar é o protagonista. O compositor mal sabia nadar, mas praticamente inventou um gênero ao cantar as águas e seus personagens.

equipe ims - bia paes leme

Suíte Retratos, 2º movimento - Ernesto Nazareth

No segundo programa dedicado à suíte Retratos, que está completando 50 anos, Bia Paes Leme mostra como Radamés Gnattali se baseou em "Expansiva", de Ernesto Nazareth, para compor o movimento dedicado às valsas.

intérpretes

Baby dos balangandãs

Em seu novo programa, Zélia Duncan reverencia Baby do Brasil, ex-Baby Consuelo, a quem chama de imprevisível, sempre surpreendente, dos Novos Baianos até a recente volta ao seu repertório depois dos anos gospel.

especiais

A história dos sambas-enredo segundo Martinho da Vila

Martinho da Vila, que revolucionou a história dos sambas-enredo no final do anos 1960, diz que está pouco empolgante a música das escolas hoje. Ele lança um CD com os 24 sambas que compôs para Aprendizes da Boca do Mato e Unidos da Vila Isabel.

a canção no tempo

1968

No ano em que a ditadura militar fechou as últimas brechas democrática, a música brasileira, protestando politicamente ou não, viveu um tempo de efervescência. Tom Jobim, sambas de Cartola e o tropicalismo de Caetano, Gil e Gal (foto) se destacaram.

equipe ims - alice sant'anna

Os poemas dizíveis de Gregorio Duvivier

Gregorio Duvivier diz a Alice Sant'Anna que o humor está presente em tudo o que escreve, mesmo na sua poesia. Ele lançou no ano passado "Ligue os pontos", seu segundo livro de poemas. Ele lê cinco no programa, inclusive dois inéditos.

como e por que nascem as canções

O sol nascerá para todos

Mario Reis propôs um desafio a Noel Rosa e Lamartine Babo: os dois fariam segundas partes de um samba e o cantor escolheria a melhor. João Máximo conta o que aconteceu.

seleções

No tempo de Araújo Porto-Alegre

A trilha sonora da exposição "Araújo Porto-Alegre: Singular & plural" reúne exemplos do que se ouvia no Rio de Janeiro do século XIX, como peças de José Maurício Nunes Garcia e Marcos Portugal, além de uma composição do próprio Porto-Alegre.

música é história - batuta na cbn

Mentira

Lembrada todo 1º de abril e praticada diariamente, a mentira começou na música popular muito associada às mulheres. Já foi tema de várias canções românticas, da divertida "Lorota boa" e do famoso verso de Cazuza (foto): "Mentiras sinceras me interessam".

literatura em voz alta

Nosso tempo

O poema "Nosso tempo" foi escrito por Carlos Drummond de Andrade sob a Segunda Guerra Mundial, duas décadas antes do golpe militar de 1964. Mas sua beleza e sua dor traduzem qualquer época sombria, qualquer "tempo de homens partidos". O poeta Eucanaã Ferraz lê os versos de Drummond.

especiais

Uma retrospectiva de 1964

A Batuta apresenta um registro raro: trecho de programa feito pela Rádio Jornal do Brasil no final de 1964 recordando, em tom triunfalista, o golpe militar. Segundo o texto da emissora, a população saiu às ruas para "dar graças a Deus pela derrota do comunismo".

instrumental brasileiro

Vento em madeira

Ricardo Silveira apresenta músicas do quinteto Vento em Madeira, um dos conjuntos instrumentais mais interessantes em atividade no país. Ele é formado por Tiago Costa, Edu Ribeiro, Fernando Demarco, Teco Cardoso e Léa Freira, e conta com participação de Mônica Salmaso.

como e por que nascem as canções

Amargura

Quando sobrava tempo em meio aos mais de dez arranjos que escrevia por semana, Radamés Gnattali compunha uma melodia maravilhosa como a de "Amargura", conta João Máximo. Alberto Ribeiro pediu para pôr letra, e Lúcio Alves gravou este grande samba-canção moderno.

shows ims

Opinião

Joyce Moreno e o grupo Casuarina reviveram em 8 de fevereiro o "Opinião", o histórico show que estreou em 1964 já contestando a ditadura militar. Músicas como "Malvadeza Durão", "Carcará" e a faixa-título ganharam novas roupagens. A Batuta oferece a íntegra do show.

música é história - batuta na cbn

A música de 1964

Antes ou depois de 31 de março de 1964, a música brasileira reagiu ao golpe militar. Do disco de estreia de Nara Leão ao show "Opinião", foi ano marcado por canções e posturas críticas, mas sem perder a ternura.

equipe ims - paulo roberto pires

Memórias da ditadura

Em meio aos muitos lançamentos por ocasião dos 50 anos do golpe militar, Paulo Roberto Pires seleciona um livro de 2011 que, a cada leitura, reafirma sua força: "K.", de Bernardo Kucinski, romance baseado no desaparecimento de sua irmã.

jazz

Instrumentos insólitos

Reinaldo Figueiredo mostra que o jazz está aberto a instrumentos exóticos como as conchas, sinfônicos como o oboé, antiquíssimos como a flauta de Pã e novíssimos como steel drums. Além do assovio, é claro.

como e por que nascem as canções

Faceira

No dia de sua estreia no teatro, em 1931, Sílvio Caldas (foto) lançou "Faceira", que se tornaria um dos maiores sucessos de Ary Barroso. Foi tamanho o impacto que o cantor bisou o samba oito vezes, conta João Máximo.

equipe ims - bia paes leme

Suíte Retratos, 1º movimento - Pixinguinha

Gravada há 50 anos, a suíte Retratos, de Radamés Gnattali, é analisada pela coordenadora de música do IMS, Bia Paes Leme, que inicia uma série dedicada à composição. Neste programa, o movimento dedicado a Pixinguinha é o tema.

como e por que nascem as canções

Quem dá mais?

Noel Rosa ainda era pouco conhecido quando, em 1930, fez "Quem dá mais?", um samba corrosivo sobre o Brasil que se vende por pouco. João Máximo, biógrafo de Noel, explica os detalhes da letra.

como e por que nascem as canções

Pelo telefone

"Pelo telefone", grande sucesso do carnaval de 1917, foi mesmo o primeiro samba? Era samba ou maxixe? Era só de Donga (foto) ou de vários autores? João Máximo resume uma das histórias mais polêmicas da música brasileira.

como e por que nascem as canções

Ninguém me ama

Antônio Maria (foto) e Fernando Lobo fizeram um pacto para que toda música de um fosse assinada também pelo outro. Não deu certo, como conta João Máximo: Maria não gostou de o sucesso da sua "Ninguém me ama" ser saboreada por Lobo e desfez o acordo.

literatura em voz alta

O bebê de tarlatana rosa

João do Rio publicou "O bebê de tarlatana rosa" em 1910, e o conto logo se firmou como uma das melhores histórias de carnaval da literatura brasileira. A narrativa tão divertida quanto assustadora é interpretada na Batuta pelo grupo de atores dirigidos por André Paes Leme.

como e por que nascem as canções

O que é que a baiana tem?

A figura de baiana estilizada de Carmen Miranda surgiu em 1939, no filme "Banana da terra". Era para ser numa canção de Ary Barroso, mas os produtores acharam que o compositor queria dinheiro demais. Sobrou para o novato e desconhecido Dorival Caymmi, que ensinou a Carmen "O que é que a baiana tem?". O resto é história.

as canções que eles fizeram pra mim

Wilson Baptista, diretamente do Café Nice

Wilson Baptista foi muito mais do que o sambista, ainda desconhecido, que se meteu numa polêmica com Noel Rosa. Rodrigo Alzuguir, autor de uma biografia sobre o compositor, escolhe e comenta dez músicas de um repertório com mais de 500 já catalogadas.